Pelo pouco que vi também me pareceu que Coelho estava mais confiante e senhor de si. Rangel ficou muito na defensiva. Falta o debate entre Coelho e Aguiar-Branco, pese eu achar contudo que no debate de ontem estavam os mais fortes candidatos à sucessão da actual liderança falhada.
Renato Seara a 3 de Março de 2010 às 13:01

... não simpatizo com o cidadão, que hei-de fazer?
É que aquele ar tem alguma coisa de ...dissimulado, não sei...
Coisas...
Ou 'sentido feminino'?!
(mas para ser franca, também não me agradam os outros dois, que maçada! - o que vale é que não tenho de votar em nenhum. Pelo menos agora...)

Margarida a 3 de Março de 2010 às 13:15

Por muito céptico que seja em relação a Pedro Passos Coelho, e sou, considero-o sempre um upgrade face à actual direcção. Que política de verdade existe quando se critica a claustrofobia democrática no continente, apontando a Madeira como exemplo? Que política de verdade existe, quando um partido apresenta em Dezembro uma proposta a suspender o PEC , recuando na mesma 3 meses depois? Não sei o que nos reserva o futuro com PPC , mas a actual direcção pode passar ao caixote de lixo da História, quanto mais depressa melhor...

Bom post . Rangel decepcionou , a sua falta de sagacidade foi muito estranha.
José Manuel Faria a 3 de Março de 2010 às 13:50

Encalhou na ruptura, ele que foi líder parlamentar da actual direcção e cabeça de lista ao P.E., quererá exactamente romper com o quê? ou com quem?...

Vejamos se os barões não lhe fazem a cama... como aconteceu ao Santana.
manuel gouveia a 3 de Março de 2010 às 14:20

Show must go on, no dia seguinte à eleição, numa rádio, televisão, jornal ou blogue perto de si...

Sem dúvida!

demasiado para meu gosto, mas alguns apoios de autarcas terão certamente um preço a pagar

Há já demasiado tempo que a lógica é essa - antes do mais, e acima de tudo, há que pagar os almoços, senão...
Cristina Ribeiro a 3 de Março de 2010 às 20:42

O problema não serão os almoços que terá de pagar, mas o facto de utilizar o nosso dinheiro no pagamento dos mesmos...

Passo Coelho não é de longe o salvador da pátria.
Daniel João Santos a 3 de Março de 2010 às 22:51