Concedo que pode ter razão quando diz que a alternativa seria a de se avançar novamente para a chamada economia fechada, mas também penso que seria óptimo que se encontrasse um ponto de equilíbrio, uma fórmula que permitisse despir o socialismo de alguns dos seus atavismos e vestir o capitalismo com as vestes sobrantes.
Isso chama-se o quê? Não sei; Isso existe? Presumo que não!
Bem sei que nós aqui discordamos mas não é possível permitir que tendo-se avançado desbragadamente nos EUA, por exemplo, seja crescente o número de pessoas a viverem em carros, a pedirem ajuda e por aí fora.
O assistencialismo sem regras é pernicioso, concedo, mas não se pode pedir que a alternativa seja o salve-se quem puder.
E até o próprio António terá de conceder que, defendendo-se a sua tese até ao limite, enquanto não se atinge a utopia da sociedade lliberal na economia e onde as leis do mercado funcionam a cem por cento, é necessário acorrer Às situações dos que ficam para trás,
É que qualquer utopia comporta perigos e baixas e neste caso falamos de milhões!
Ferreira-Pinto a 28 de Outubro de 2008 às 11:50

-Concordo com o meu amigo sem hesitações, o liberalismo enquanto tal não existe, nem nunca existiu em parte alguma do mundo, o que existiu na URSS nunca foi bem socialismo, as doutrinas nunca são aplicadas a 100%. Resolver problemas de pessoas? Mas claro que sim, o problema é mesmo a maneira de consegui-lo, a fórmula perfeita que obviamente ninguém possui.

Não concedas tanto. Todos os regimes, para nos fazerem felizes e não serem as bestas atrevidas em que a pouco e pouco se vão transformando, terão de hibridos, com um pouco de socialismo e uma pitada de liberalismo, o que, para abreviar daria lugar a uma espécie de boneco amestiçado: um que aparentaria a tua careca com óculos escuros encaixada nas pernas esgrouviadas do António.

Um Frankenstein metrossexual, portanto.

O único regime que respeito é a Democracia, o valor supremo em que acredito a liberdade. A partir daqui encontro defeitos em todos os países, o facto de existirem imperfeições não impede que tenhamos uma noção de perfeição, e procurar caminhar em sua direcção mesmo sabendo que será inatingivel.

António, era apenas uma nótula de humor dirigida para as concessões do nosso Tatantino.

Boas António

Não sei se a solução será mais estado , penso que passa por ser melhor estado, com um controlo mais rigoroso e mais efectivo de quem na realidade mais precisa de apoio desse mesmo estado.

Um abraço
Joy
JOy a 28 de Outubro de 2008 às 12:18

-Sempre pensei que menos estado é melhor estado, mas tudo isso são chavões, a eficiência é importante, em qualquer caso o problema é global e não tem resolução fácil.

Caro antónio ,
A menos que MA se esteja a referir ao Socialismo do Século XXI de Hugo Chavez .
Bruno - Planetas a 28 de Outubro de 2008 às 16:07

Manuel Alegre não sabe a que se refere, aliás a esquerda anda totalmente à deriva, precisamente por não saber que propor. A direita não anda muito melhor diga-se em abono da verdade, por estes tempos assisti George W. Bush a defender a intervenção na economia, ainda que muito tenha contribuído para a sua fragilidade nunca esperei ver tal.

Joshua, meu caro, a vida é feita de transigências. Obviamente que daquelas onde não tenhamos de nos colocar de cócoras ou de renegar princípios.
Daí a concessão que fiz ao António de Almeida.

Tu, meu lerdo, ven-nos agora apodar aos dois de Metrossexual Frankenstein ou lá que escreveste ... logo tu, meu REX extinto! .)
Mas diz lá, que modelo nos pregas pois então?
Ferreira-Pinto a 28 de Outubro de 2008 às 17:22

Pois eu também considero que o socalismo tipo soviético não é a solução, mas acho também que algum esforço sério terá que ser feito para que este tipo de capitalismo em que sobrevivemos nãp possa causar outro descalabro como o presente.
Fique bem, meu caro.
São Banza a 28 de Outubro de 2008 às 18:23

essa das décadas de paz e prosperidade não será um pouco exagerado ?

Tiago R Cardoso a 28 de Outubro de 2008 às 19:27

-6 décadas desde a II guerra mundial

Achas mesmo que houve paz e prosperidade?


-Basta analisares todos os indicadores económicos, neste momento tudo está posto em causa, a Europa, EUA, China, Japão, India , Austrália ou Rússia estão hoje irreconheciveis quando comparados a 1950 por exemplo. Qual será a percentagem da Humanidade representada?

Paz prosperidade, quando a riqueza mundial está confinada em poucos países...


-Contabilizas o número de países? Prefiro contabilizar o número de seres Humanos. Sim, paz e prosperidade, embora te conceda que falta muito caminho a percorrer, mas terás de reconhecer que muito foi conseguido, apesar de tudo o que possas apontar, por muitas razões que possas invocar.