Defendo o sistema misto, onde quem tem possibilidades pode sair do sistema, dirigindo os recursos para quem não pode sair dele.
Tiago R. Cardoso a 6 de Abril de 2008 às 19:31

-As nossas opiniões não são muito divergentes Filipe, já tenho questionado a lógica do ensino superior ser financiado por dinheiros públicos, quando manifestamente proporciona benefícios privados, essa promiscuidade é que fica em causa, ao não existir coragem política, para se separarem as águas. quanto ao sistema americano, ele tem aspectos positivos, e outros altamente negativos, que alguns candidatos se propõem alterar, como o Filipe bem sabe.
António de Almeida a 6 de Abril de 2008 às 16:20

Pois. Mas os médicos são formados com dinheiros públicos e a sua formação é cara. Na sua óptica liberal haveria que fixar-lhes um período no qual não pudessem exercer medicina na privada. Aliás, como se faz na força aérea.
Quanto a um serviço público de qualidade, ele nunca será conseguido nem com filas de espera, nem com o sistema dual que delas resulta: um serviço privado para ricos e outro para pobres. Não queiramos entrar no esquema americano que, isso sim, é não ver o óbvio. O sistema tem que ser universal.
Filipe Tourais a 6 de Abril de 2008 às 15:40